domingo, 8 de maio de 2011

E assim se segue...


Gente que vive só do que é plausível,visível e concreto pra mim não serve.Gosto de metáforas,literatura,de cheiro de mato e do subjetivo.
Sabe aquela saudade do que ainda não aconteceu?saudade do futuro?

sexta-feira, 22 de abril de 2011

Sobre um ego avassalador


Nunca tive vocação para ser um menino bem comportado.
Não sei esconder a alegria,ela transborda.Sei sorrir com os olhos e quem me conhece,sorri comigo.
Não quero dar orgulho para meus pais,minha família..quero dar orgulho à mim mesmo,seguindo sempre e se preciso for,quebrando a cara.
Não acho graça nos padrões..padrões,sinceramente,acho um saco.Você tem que ter padrão pra beleza,padrão pra escrever,padrão pra tudo..
Porque,às vezes,tudo o que eu preciso é de um sorriso e um momento de conversa soltas,bobas e sem nenhum conteúdo.Não quero ler sempre livros que me trarão algum intelecto,quero ler livros bobos,coloridos e infantis.
E numa noite fria me deixe,deixe que a lua me abrace,a rede me dê base,o capuccino me embreague..



""Acostumada aos aspectos serenos, voltava-se pelo contrário aos acidentados. Não gostava do mar senão pelas suas tempestades e da relva unicamente quando era alternada com ruínas. Sentia necessidade de poder tirar das coisas uma espécie de proveito próprio, e repelir como inútil tudo o que não contribuísse para a alegria imediata do coração, porque tinha um tempreamento mais sentimental que artístico, procurando emoções e não paisagens." (Mme Bovary, Cap. 6)

quinta-feira, 21 de abril de 2011

Palavras soltas


Porque todo mundo tem medo de não agradar,não ter o melhor beijo,não ter o melhor humor.
E temos medo das lembranças chatas,aquelas lembranças que não nos deixam seguir, medo.
Então você encontra a pessoa que seria a pessoa certa,mas tem medo de seguir em frente,medo de ser vulnerável,de se entregar,de amar.
Porque,às vezes,damos conselhos para todos,mas não seguimos nossos conselhos.
Porque tudo o que você quer seria o silêncio,a brisa e um copo de vinho.Então aquela música toca e nos sentimos tão nostalgico.
Queremos acabar com o sofrimento,com os abismos,com a escuridão...mas o caos é o melhor remédio para o reencontro.
E tudo o que quer é ter paciência..mas tenta encontrá-la.
Porque são milhões de interrogações e tudo o que você quer é ser utópica,porque hoje está sem saco pra realidade.
Porque..poque..porque..

"Uma gota de água só terá valor de UMA gota de água,se o balde não estiver cheio"

segunda-feira, 18 de abril de 2011


"O correr da vida embrulha tudo.
A vida é assim: esquenta e esfria, aperta e daí afrouxa, sossega e depois desinquieta. O que ela quer da gente é coragem." (JGR)

sexta-feira, 8 de abril de 2011

Maria e Helena (abismo)


Helena acendeu seu cigarro,tentava dar foco às flores murchas na varanda e com ar de poderfalava com Maria:
-Mais uma vez acredite,mais uma vez me entreguei,mas uma vez,você,Maria,me fez cair.
Maria Helena,uma mulher de 40 anos.Ex esposa,ex-professora e talez ex-sonhadora.Tinha uma vida dividida,e era com seu nome que concretizava essa divisão.
A Maria foi a criança que não cresceu,a adolescente problemática e a Helena com distúbios.
Com seis anos de idade,Maria foi abusada sexualmente,com treza tinha relações sexuais com homens e com desessete era independente.
Foi sua mãe e seu pai.
Daí pra frente surge Helena que é a Maria,só que tem ódio da Maria,Maria é ruim,Maria é sofredora.
Agora com doses de whisk na mão,chora.
Coloca em Maria a culpa do término de weu relacionamento.
-Por que? Porque você é tão carente..Por que você se entrega tanto.
-Por que você faz parte de mim? eu sofri pra nascer e tenho que te abortar!
Helena anda pela casa.Durante tres anos,essa era a segunda crise depressiva.
Ao chegar na porta de seu quarto,Helena ouve o choro de Maria:
-Eu só quero crescer.
Helena passa pela porta do quarto,sorri.
Em seguida,toma seu antidepressivo e desmais.Misturou o veneno certo para seu sonho impossível:álcool e remédio.
Então Maria Helena se abraça e diz adeus à Maria e Helena.

quinta-feira, 7 de abril de 2011

Sobre limitações;valores;tragédia no Rio de Janeiro


E dói saber que para aquelas crianças não terão mais futuro.
Tô super triste com a tragédia do Rio de janeiro.
Porque a gente almeja tanto,planeja tanto,sonha tanto e um dia,do nada,morre.
Vivemos na correria,afinal,tem vestibular,tem que pensar em aumentar o salário,tem que ir pra academia emagrecer.
E na correria esquecemos do beijo,de dizer para um amigo um "te amo",de sorrir mais e ser verdadeiro.E acho uma "filhadaputisse" essa questão da morte.
Porque demoramos tanto pra botar em prática as bobas teorias,achamos cafona tantas coisas que poderiam ser divertidas,nos limitamos tanto e um dia acaba.
Medo de botar a cara ao tapa.
Medo de dar play no foda-se.
E são os gestos mais banais,como um abraço,um cheiro,ou uma risada,que faz com que demos mais valor ao 'te amo'.

terça-feira, 29 de março de 2011

Sobre intensidades



O meio não me atrai..não gosto de meio amigo,meio chocolate,meio beijo,meio toque..gosto do vasto,do grande e de orgasmos.